Os males que o mau humor pode causar

Os males que o mau humor pode causar

Os males que o mau humor pode causar

A difícil convivência com pessoas que estão sempre mal-humoradas e impacientes

woman in gray blazer standing near green plant with a serious look
Photo by Tima Miroshnichenko on Pexels.com

Sabe aquelas pessoas que estão sempre mal-humoradas, impacientes, que não gostam de conversar nem mesmo o necessário e que, para deixar isso bem claro, respondem sempre de maneira indelicada, na expectativa de escapar até mesmo de um simples diálogo?


Conviver com alguém assim – centrado exclusivamente em seu “próprio umbigo” e que ignora os problemas dos outros – é, no mínimo, desagradável. Mais do que isso, as consequências podem ser prejudiciais, seja nos relacionamentos familiares e afetivos, no ambiente de trabalho, nas práticas cotidianas (nas filas do banco, no supermercado etc.). Afinal, quem é que se sente confortável estando perto de alguém que está sempre de mau humor, com atitudes egoístas e se considerando vítima da sociedade?


É claro que, em algumas circunstâncias, a pessoa pode estar agindo assim porque está infeliz ou com algum problema. Muitos vivenciam isso em alguma fase da vida, o que é totalmente compreensível. Mas existem casos em que esse comportamento se repete com frequência. Assim, a pessoa segue a vida “descarregando” nos outros, com atitudes grosseiras, os seus sentimentos de frustração e tristeza.
Também não podemos desconsiderar os contextos de doenças nos quais a pessoa sofre dores e angústias, o que pode justificar o mau humor.


Se de fato existem motivos para tanta murmuração e indelicadeza, há uma solução para quem está assim? E se não tem como resolver, é possível administrar a situação e levar a vida com mais serenidade, sem se prejudicar e sem prejudicar os outros?


Para abordar o tema, o CCO conversou com o médico endocrinologista e metabologia a Tarcísio Silva e com a psicóloga Lucilene Silva.


Também não podemos desconsiderar a abordagem espiritual, porque muitos cristãos, mesmo enfrentando as mais terríveis tribulações, permanecem firmes e seguem o caminho sem grande sofrimento e sem mau humor. Ou seja, existe solução também pelo viés espiritual.
Para São Padre Pio (1887-1968), canonizado pelo Papa João Paulo II em 2002, “reclamar é um vício voluntário”. No livro Padre Pio – A História Definitiva, de C Bernardo Rufino (2020, p. 219 e 220), é relatado que o padre italiano dizia: “Os filhos de Deus não devem resmungar. Reclamar é um vício voluntário que mata o amor [de Deus]”.


Pessoas negativas e amargas tendem a se viciar nesse estado


O médico Tarcísio Silva explica que nosso estado emocional tem influência direta no funcionamento de nosso corpo, tanto para cura quanto para promover ou agravar doenças. Ele comenta que há várias décadas são utilizadas técnicas psicológicas para tratamento de doenças que cursam com dor crônica, a exemplo de fibromialgia e dores oncológicas. “Sabemos que a dor tem um componente emocional: através do controle da ansiedade com essas técnicas, podemos reduzir a intensidade de diversas dores em quase 50%. Mas com essas mesmas técnicas, é possível ‘isolar’ uma região do corpo dolorida, enganando o cérebro e anulando quase completamente a dor. É o que acontece, por exemplo, na hipnose utilizada em odontologia, evitando uso de anestésicos para realização de procedimentos. Agora imagine o seguinte: se é possível utilizar o estado emocional e a mente para tratar doenças, certamente o inverso pode acontecer”.


É nesse contexto que o médico ressalta: ” Pensamentos pessimistas, negativos, maus humores constantes podem gerar doença”. Ele cita um exemplo bem estudado em neurociências: “Temos no cérebro uma região antiga, primitiva, chamada AMÍGDALA CEREBRAL, responsável por nosso comportamento social e impulsividade agressiva. Quando ativada continuamente por pensamentos pessimistas, desencadeia liberação de cortisol e adrenalina pelas glândulas adrenais, fazendo subir a pressão arterial, acelerar o coração e inflamar os vasos sanguíneos, predispondo a infarto e AVC”.


Dr. Tarcísio ainda relata: “Pessoas negativas e amargas tendem a se ‘viciar’ nesse estado; valorizam demais suas misérias, achando mais fácil permanecer nesse estado do que tentar mudar seus pensamentos. O pior: tendem a querer convencer outras pessoas de suas convicções, com dramas e vitimismo. Quem convive com pessoas assim e não tem capacidade de administrar tudo isso, pode também ficar doente! “.

Também existem as doenças que podem causar mau humor


O médico enfatiza a importância de se descartar nessas pessoas a presença de doenças psiquiátricas como depressão, que precisam de tratamento específico, assim como outras doenças que afetam o humor, como é o caso de problemas hormonais (hipotireoidismo, hipertireoidismo, deficiência de testosterona em homens, queda brusca de estrogênio na menopausa, insuficiência adrenal etc.); problemas neurológicos (isquemia, metástases de tumores, tumores primários do cérebro, escleroses); deficiências vitamínicas e minerais (vitamina B12, queda de sódio – hiponatremia), oscilações de glicose (tanto aumento quanto queda dos níveis de glicose), doenças reumatológicas (lúpus), infecciosas (sífilis cerebral, HIV), efeitos de medicamentos e suplementos (corticoide, anticoncepcional, anabolizantes), Síndrome ASIA (provocada por implantes como próteses de silicone, próteses ortopédicas). “A lista é muito vasta e podem ser necessários meses até se descartar causas orgânicas para transtornos neuropsiquiátricos. Cada um tem tratamento específico e prognóstico muito variável”, orienta.

Irritabilidade e agressividade


A psicóloga Lucielen Silva, especialista em Psicologia Jurídica e Hospitalar e cursando pós-graduação em Neuropsicologia, ressalta que “a pessoa bem-humorada não é aquela que faz piada de tudo, mas que consegue levar a vida com mais leveza, consegue enxergar o lado positivo de cada situação, mesmo que elas não estejam totalmente favoráveis, e que não fica apenas se queixando”.


O fato é que a pessoa que enxerga somente o lado negativo de tudo apresenta comportamentos de “irritabilidade, agressividade e afasta os outros”. Assim, ela acrescenta: “Terá mais dificuldade de criar laços, sejam afetivos ou de amizade; terá dificuldade em seu ambiente de trabalho e, consequentemente, sua produtividade tende a cair. A pessoa mal-humorada não produz endorfina, que é uma substância que causa bem-estar, como uma pessoa mais bem-humorada, que enxerga a vida de forma mais leve”.


Lucielen Silva fala ainda sobre a inteligência emocional, em alta no mundo corporativo, para que cada um da equipe da empresa aprenda, com o auxílio do psicólogo, a trabalhar suas emoções. “Trabalhar com pessoas mal-humoradas torna o ambiente extremamente cansativo, pesado. Temos que fazer com que os ambientes nos quais convivemos sejam leves, harmônicos, que transmitam leveza, paz. Enxergar o lado bom da vida, ter bom humor, é uma forma de promover isso, seja na sua casa, no seu círculo de amizades ou no seu trabalho”, dá a dica.

Arcos e Região Comportamento Destaque Saúde