A inebriante Literatura Gótica

A inebriante Literatura Gótica

A inebriante Literatura Gótica

A literatura gótica é um gênero literário de ficção que surgiu na Inglaterra – século XVIII – e que cuida principalmente do terror, mistério, aflição, mundo sombrio e sobrenatural. Além de tratar sobre poder, o papel da mulher na sociedade, sexualidade, medo e a dualidade humana (bem e mal; sanidade e loucura; amor e ódio; perfeição e deformidade).  

É um gênero literário muito envolvente, pois aguça a sensibilidade e escancara a fragilidade humana através de intrigantes e misteriosas narrativas. Além de ser antagônico aos costumes de grande parte da sociedade, por tratar de temas sensíveis que muitas pessoas evitam como: morte, loucura, aflições, etc. Mexe muito com o psicológico valendo-se várias vezes do suspense.

Embora possa gerar certo incômodo em muitas pessoas, também proporciona reflexões que histórias felizes e reais não são capazes de estimular. O ser humano precisa aflorar o lado reflexivo sem ficar focado só na racionalidade. A ficção gótica também merece espaço e destaque no labirinto da realidade. 

Inclusive, muitos filmes de sucesso foram inspirados em obras góticas. Embora os filmes retratem bem as obras, as leituras são imprescindíveis para maior compreensão, uma vez que eles não conseguem ser plenamente fiéis às obras literárias.

Ademais, os filmes exibem a percepção de uma direção das filmagens, limitando a imaginação do telespectador àquelas imagens elaboradas. Assim, o telespectador não consegue imaginar, do seu modo, as cenas relatadas nas páginas dos livros.   

Cumpre destacar obras famosas que fazem parte da literatura gótica estrangeira, quais sejam: O Castelo de Otranto (1764) – Horace Walpole; Frankenstein (1818)Mary Shelley; Ligeia (1838); A Máscara da Morte Rubra (1842); O Gato Preto (1843); O Corvo (1845), entre outros contos de Edgar Allan Poe; Drácula (1897) – Bram Stoker; O Retrato de Dorian Gray (1890) – Oscar Wilde; O Fantasma da Ópera (1909) – Gaston Leroux; entre outras. 

A literatura brasileira também abraçou o gênero gótico por meio das seguintes obras: Noite na Taverna (1855) – Álvares de Azevedo; A Orgia dos Duendes (1865); A Dança dos Ossos (1871) – Bernardo Guimarães; Broquéis (1893) – Cruz e Sousa; Câmara Ardente (1899); Dona Mystica (1899); Kyriale (1902); Pastoral aos crentes do amor e da morte (1923) – Alphonsus Guimaraens; Psicologia de um vencido; Solitário; Vozes da Morte; Vozes de um Túmulo; O Morcego (1912) – Augusto dos Anjos. 

Para compreender melhor sobre os temas da literatura gótica, que tal conhecer a magnífica obra que fundou o pilar gótico?

Francielle Ferreira