Memórias sobre monumentos de Arcos

Memórias sobre monumentos de Arcos

Memórias sobre monumentos de Arcos

Poucos são os registros sobre o passado de Arcos. O CCO tem feito esse resgate, produzindo matérias e publicando nos espaços “Gente Nossa” e “Memória”. Nesta edição, procuramos saber as histórias dos monumentos da cidade, os quais foram construídos para homenagear cidadãos importantes para o desenvolvimento do Município. 

Martiniano Zuquim

Natural de Andrelândia-MG, veio para Arcos em 1942, onde realizou atividades na função de químico industrial. Analisou as pedras calcárias de Arcos, descobrindo a possibilidade de industrialização, e assumiu o pioneirismo da fabricação de cal. 

Em seguida, elaborou um projeto de fabricação de cimento, executado por empresários regionais associados a ele, produzindo o melhor carbureto do país na década de 1940. O busto em homenagem a Martiniano Zuquim foi inaugurado no dia 17 de julho de 1982 e está localizado na praça Martiniano Zuquim (próximo à trincheira).

Maria de Magalhães Pinto (Maricota Pinto)

Foi uma importante educadora que ajudou a construir Arcos. Maricota Pinto também emprestou seu nome a uma escola estadual da cidade. “Dona Maricota foi a primeira professora formada a lecionar em Arcos, merecia ser lembrada”, comentou, em 2005, o ex-prefeito Paulo Marques de Oliveira (que faleceu em 2013, aos 81 anos). Foi ele quem viabilizou a construção do busto, inaugurado em 21 de novembro de 1979, como homenagem de gratidão comemorando o centenário aniversário de Dona Maricota. O busto está localizado em frente à praça Floriano Peixoto. 

Obelisco da praça Floriano Peixoto

O monumento foi criado para homenagear os bravos arcoenses que foram lutar em solo europeu na Segunda Guerra Mundial. A placa instalada no Obelisco traz os seguintes dizeres: “Homenagem de Arcos aos seus heroicos filhos, que, pelos seus feitos de coragem nas fileiras da F.E.B nos campos de batalha de Europa, honraram o glorioso nome do Brasil.  Arcos – 1945”. 

F.E.B. era a abreviação que se dava à Força Expedicionária Brasileira, delegação militar enviada pelo Brasil à Europa.

A placa também informa os nomes dos, na ocasião, jovens que foram combater os nazistas em solo europeu: Francisco Felisbino da Silva; Francisco Rodrigues Terra; Inácio dos Santos Neri; José Maria Dias; José Martins Filho; José Messias de Figueiredo; José Miranda; Mozar Dias de Carvalho; Olegário Rabelo Amorim; Sebastião Guimarães Dias”.

Fonte das informações: Livro Histórias de Arcos – Lázaro Barreto

Arcos e Região Educação