Sintomas pós-covid

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 01/05/2021) – Edição 2100

Dr. Tarcísio Silva

De acordo com diferentes estudos, até 80% das pessoas que tiveram COVID-19 sintomática persistem com alguns sintomas por vários meses após a infecção aguda. Essa condição é conhecida por vários nomes porque ainda não é bem compreendida: COVID LONGA, COVID PERSISTENTE, SÍNDROME PÓS-COVID E COVID-PÓS AGUDA são alguns termos adotados.  

A preocupação dos órgãos de saúde é que muitos desses pacientes apresentam alguma limitação importante para os afazeres diários, comprometendo qualidade de vida e capacidade para o trabalho. Isso decorre da intensa inflamação de todo o corpo desencadeada pela presença do vírus, ativando de forma exagerada o sistema imunológico. A forma como cada pessoa vai reagir com a Covid-19 é muito individual e imprevisível.

 

Principais Sintomas

Os mais comuns são fraqueza, falta de ar, dor torácica, perda de massa muscular, cefaleia, tonturas, alterações de humor, ansiedade, insônia, falta de concentração e memória fraca. Esses sintomas são mais frequentes e intensos nos pacientes que necessitaram de internação, mas é cada vez maior o relato de sintomas pós-covid em pacientes que tiveram quadro leve e foram tratados em casa.

Uma das coisas que dificulta identificar a síndrome é que medicações usadas no tratamento da Covid-19 (corticoide, por exemplo) e terapias de suporte (como ventilação mecânica prolongada) podem também provocar sintomas persistentes após a fase de tratamento.

 

 

Quais as recomendações?

Por ser uma doença nova ainda em estudos, os pacientes que tiveram Covid-19 precisam estar bem orientados quanto à possibilidade de desenvolverem esses sintomas persistentes e procurar avaliação médica se necessário.

Nem todo paciente precisa passar por avaliação clínica após a fase aguda de Covid.

A recomendação atual é que todo paciente que necessitou de internação passe por uma avaliação clínica, bem como aqueles que apresentaram quadro leve mas possuem comorbidades (principalmente obesidade, diabetes, hipertensão arterial, problemas cardíacos e pulmonares). Esses pacientes estão sob maior risco de desenvolverem algumas complicações mais sérias no pós-Covid, como tromboses, embolias, arritmias cardíacas e fibrose pulmonar.

Essa avaliação pode ser a princípio realizada por qualquer médico clínico (áreas de Clínica Médica e Medicina de Família) que irá encaminhar para outros especialistas caso necessário.

Recomenda-se que todo paciente que teve Covid-19 inicie atividades físicas o mais precocemente possível, prevenindo sequelas permanentes no sistema cardiovascular, musculo-esquelético e pulmonar. Alimentação balanceada e hidratação adequada são fundamentais para a completa restauração da saúde. Todos devem ser vacinados contra Covid respeitando-se o programa de vacinação estabelecido pelas autoridades de saúde, visto que a imunidade conferida pela Covid-19 não é duradoura como aquela promovida pela vacinação.

Colunas