Que ano estranho no futebol de campo!

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 21/12/2019) – Edição 2032

Marlon Santos

ALÔ, ARCOS! Este foi o pior ano para o futebol de campo e podemos confirmar isso pelos resultados obtidos dentro e fora de campo. Essa afirmação refere-se ao futebol profissional e amador, no qual estivemos presentes em todos os momentos.

Em Arcos, o Vila Esporte Clube se destacou ao conquistar o bicampeonato regional sub-23; e depois dessa conquista do ‘verdão das alturas’, imaginávamos que teríamos um ano espetacular, tratando-se de futebol amador. Mas, no decorrer do ano, tivemos modificações inesperadas nos bastidores, que posteriormente foram transferidas para dentro das quatro linhas. Os torcedores e diretores ficaram na expectativa da realização dos tradicionais campeonatos que sempre acompanhávamos, mas tudo não passou de mera ilusão. Para contrariar os mais otimistas – me incluo entre eles – o campeonato municipal da categoria de base foi esquecido novamente; e com isso, nossos futuros atletas ficaram sem disputar o torneio pelo segundo ano consecutivo. Mas, o inesperado ainda estava por acontecer. Eis que alguns presidentes de clubes resolveram delegar o futebol de campo arcoense para a Secretaria de Esportes e, assim, o futuro do futebol de Arcos ficou cheio de incertezas. Com a presença de oito equipes, foi realizado o Campeonato Arcoense de Futebol, que não contou com a categoria aspirante, sendo que estiveram em campo apenas os titulares. Mesmo com tanta incógnita, alguns diretores elogiaram o torneio, que teve como grande campeão o Ypiranga Esporte Clube; e como vice, o Vila Esporte Clube, em uma final que lotou o estádio Juca Pequeno. O Campeonato Arcoense de Futebol teve pontos positivos e negativos, não se pode desvalorizar o torneio. Não se sabe ao certo o futuro que teremos, tratando-se de futebol de campo, mas uma certeza temos: o futebol de campo de Arcos é tão forte, que mesmo com tantos atropelos sobreviveu e possivelmente irá sobreviver no próximo ano. Concorda?

 

Profissional

Tratando-se de futebol profissional, não temos quase nada a comemorar, pois a campanha do Cruzeiro na primeira divisão foi ridícula e determinou o rebaixamento cruzeirense para a ‘segundona’. O Atlético comemorou sua permanência na primeira divisão do brasileiro, algo que é inaceitável para o torcedor que acompanha sua equipe sem se envolver com a paixão. Já o América não conseguiu o acesso à elite do brasileirão e, mesmo assim, os torcedores americanos elevaram os seus atletas a heróis. Que situação estranha de todos os envolvidos com o futebol profissional de Minas Gerais, porque no ‘fritar dos ovos’ ninguém se salvou e ao mesmo tempo alguns se vangloriam. Então, não há uma explicação para essa lástima ocorrida neste ano e esperamos que em 2020 tudo possa mudar, pois é preciso imaginar um futuro promissor para o futebol de campo profissional.

 

Vamos rever a situação

Com todo esse retrospecto negativo, vamos acreditar que os erros sejam corrigidos e que tenhamos uma maior organização fora das quatro linhas. Que essa organização venha no início do próximo ano com uma projeção completa para o calendário do nosso futebol. No amador, é esperado que haja algo definido ainda no próximo mês de janeiro e que saibamos ao certo como será o calendário esportivo. Se houver um planejamento antecipado, podemos acreditar em dias melhores. Caso contrário, a expectativa é uma das piores possíveis. Já no profissional, o que esperamos é que realmente sejam mais profissionais e menos amadores.

Colunas