PRESSÃO ALTA: um inimigo silencioso

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 29/08/2020) – Edição 2066

Dr. Tarcísio Silva

Hipertensão arterial sistêmica (HAS) corresponde ao aumento da pressão com que o sangue circula dentro das artérias. É uma condição que leva ao processo de aterosclerose, danificando os vasos sanguíneos.  Tem-se verificado um aumento crescente do número de casos de HAS em todo o mundo, inclusive em crianças. Isso se deve em parte ao estilo de vida atual, onde predomina o sedentarismo e alimentação desbalanceada, além do estresse. No entanto, o fator hereditário é muito importante no surgimento da hipertensão arterial.

Com o envelhecimento, aumenta a chance de se desenvolver HAS devido ao endurecimento das artérias provocado pela idade. Até os 40 anos a prevalência é próxima a 10% (20% para a raça negra), até os 50 anos chega a 20% (40% para a raça negra), após 60 anos ultrapassa os 40%.

 

Quais os sintomas da hipertensão arterial?

A HAS é considerada uma doença traiçoeira justamente porque não produz sintomas nos estágios iniciais. Quando o paciente sente algo, geralmente já existe uma complicação mais séria provocada pela pressão elevada. Pouquíssimas pessoas sentem algum sintoma quando a pressão se eleva; os mais comuns são dor de cabeça, mal-estar, angina (dor no peito), dormências, inquietação e tonturas.

 

Quais as complicações para o organismo?

As principais são: angina, infarto do miocárdio, derrames, insuficiência renal e lesão nos olhos, especialmente na retina. A HAS é uma das principais causas de lesão permanente dos rins, levando o paciente a necessitar de diálise. A HAS está envolvida em 40% das mortes por doença cerebrovascular e em 25% das mortes por doença coronariana.

 

 

PRESSÃO ALTA: um inimigo silencioso

Mudanças do estilo de vida como atividade física regular, sono adequado, alimentação balanceada, consumo moderado de sal e de bebidas alcoólicas são fundamentais.

O controle do peso previne o surgimento da HAS, além do diabetes e alterações das gorduras no sangue (dislipidemias). Importantes também são as medida de combate ao estresse (atividades relaxantes, acupuntura, apoio psicológico e em casos uso de ansiolíticos ou antidepressivos).

 

Que exames são necessários para o acompanhamento?

Todo paciente hipertenso deve realizar pelo menos uma vez no ano exames de glicemia, colesterol, triglicérides, exames dos rins, eletrocardiograma e avaliação do fundo dos olhos. O mapeamento da pressão arterial ambulatorial (MAPA) é um exame que pode ajudar a identificar os pacientes que vão necessitar de tratamento com medicação para controle da hipertensão.

Colunas