Pré-Diabetes: o risco oculto

Pré-Diabetes: o risco oculto

Pré-Diabetes: o risco oculto

O nível normal de glicose em nosso sangue, no jejum, é abaixo de 100mg por decilitro de sangue (100mg/dL).

Dizemos que uma pessoa é diabética quando esse valor ultrapassa 126mg/dL. Quando o nível de glicose em jejum está entre 100 e 126, temos o PRÉ-DIABETES.

Uma pessoa com pré-diabetes apresenta um grande risco de desenvolver diabetes dentro de poucos anos ou meses. Além disso, tem risco 2 vezes maior de evoluir com danos no coração e cérebro (como infarto e derrame), mesmo sem ter desenvolvido o diabetes propriamente dito. Apresenta maior tendência para hipertensão arterial, obesidade e aumento de colesterol e triglicérides.

Por isso, todos que apresentam aumento de glicose no sangue devem tomar certos cuidados para se evitar piora progressiva.

Quais os sintomas do Pré-Diabetes?

Na fase de Pré-Diabetes, geralmente o paciente não apresenta nenhum sintoma de doença. Quando a pessoa já está diabética, os sintomas de grave descontrole são: sede intensa, perda de peso, urina em excesso, dormências e fraqueza. Portanto, somente com exames periódicos podemos detectar pessoas com pré-diabetes.

Quem tem mais risco de desenvolver pré-diabetes e diabetes?

Os fatores de risco são os mesmos para o diabetes.

. Obesidade ou circunferência aumentada do abdome (acima de 94 cm para homens e acima de 80 cm para mulheres).
. história de diabetes na família
. idade acima de 45 anos
. portadores de hipertensão arterial
. sedentarismo
. portadores de esteatose hepática (fígado gorduroso)
. portadores de aumento de colesterol ou de triglicérides
. história de diabetes ou de pressão alta na gestação
. mulheres que tiveram filhos nascidos com mais de 4 Kg de peso
. mulheres portadoras de Síndrome dos Ovários Policísticos

Como é o tratamento?

Em primeiro lugar, devemos entender que se a glicose no sangue está aumentada, até prova em contrário a pessoa não apresenta hábitos de vida saudáveis. Sedentarismo, alimentação rica em carboidratos e gorduras, excesso de bebidas alcoólicas e estresse contribuem muito para as doenças do metabolismo.
Segundo, deve-se ficar bem claro que o tratamento precisa ser levado a sério, tanto quanto no caso de diabetes. Isso porque, como foi dito, o Pré-Diabetes aumenta muito o risco de infarto e derrames, além de outras doenças metabólicas.

Assim, o tratamento envolve mudanças de estilo de vida, com alimentação balanceada, atividade física regular, controle do peso e do estresse.

Existem medicações para se evitar a progressão da doença, prevenindo o surgimento do diabetes. No entanto, o estilo de vida mais saudável é o ponto principal do tratamento.

Dr. Tarcísio Silva