Por que sofremos?

Para aqueles que conhecem a Bíblia Sagrada e afirmam que ela é a Palavra de Deus, torna-se mais simples perceber que todos os acontecimentos que ocorrem em nosso país e no mundo, fazem parte do propósito justo e perfeito de Deus. A Bíblia nos apresenta um Deus SOBERANO e por isso, o cristão reafirma o decreto universal de Deus, que ensina que Deus pré-ordenou tudo o que acontece, executando os seus decretos por meio da sua providência (Daniel 4.34-35; Salmo 135.6). Tudo está no controle de Deus e conforme sua vontade, não descartamos as causas secundárias, mas, confessamos que a causa primária de tudo o que acontece é a boa vontade de Deus. Essa obra de Deus abrange todas as doenças, mortes, todas as perturbações na sociedade e na economia. Além disso, lembremos que o Senhor Jesus Cristo é o Rei mediador, que dirige e governa todas as coisas para o bem da sua igreja (Efésios 1.22,23). A realidade do controle soberano de Deus tem influência direta sobre o nosso pensamento, discurso e comportamento em resposta a ele e aos acontecimentos no mundo.

Deus está sempre no controle, inclusive nesta pandemia (e outras no passado e futuro), bem como todos os acontecimentos estão de acordo com o decreto soberano e a santa vontade de Deus. Por isso, devemos relembrar que “Deus está sempre em ação” e está rugindo, como um majestoso leão (Amós 3) e revelou sua vontade e preceitos em sua palavra, na Bíblia Sagrada, a respeito das quais devemos pensar, crer e falar. Deus está agindo por meio dessa “calamidade natural” com todas as suas repercussões, para proclamar o seu santo julgamento. De fato, Deus é longânimo e tardio em se irar, mas ao longo da história, periodicamente, percebe-se que Deus age em julgamentos temporais. Deus está julgando as nações por causa da sua idolatria e corrupção. Deus não está julgando o mundo quanto aos 140.000 abortos que foram realizados somente neste ano nos Estados Unidos. E a incredulidade, falta de amor e temor a Deus dos países europeus? E quanto a China, é um país declaradamente opositor ao cristianismo e aos princípios de Deus? E em nosso país? Perverteu-se o santo relacionamento do casamento com promiscuidade sexual, adultério, fornicação, pornografia e tantas outras relações sexuais claramente condenadas pela Escritura Sagrada. E a idolatria aos ídolos do esporte, o materialismo, o lazer e o egoísmo da humanidade? E o aumento na imoralidade, da corrupção, da violência e da maldade humana? Deus está disciplinando e treinando o seu povo, por isso é importante lembrar que os cristãos não estão isentos dos sofrimentos desse vírus. Pedro ensina que o julgamento começa pela família de Deus (1Pedro 4.17). No entanto, para nós não é um julgamento de punição, mas de disciplina (Provérbios 3.11-12), que é corporativa e individual; pode ser por pecados específicos ou mais geralmente, para nos corrigir e refinar.

 

Individualmente, devemos examinar nossa vida, para averiguarmos se Deus está nos corrigindo por pecados específicos. Se discernirmos atitudes ou ações específicas que se relacionam com as consequências do vírus, arrependamo-nos e busquemos a graça de Deus. Se não descobrirmos relações específicas, busquemos a graça santificadora de Deus através das coisas que sofremos. Deus está refinando a sua igreja porque como cristãos, repetidamente e de forma rebelde temos profanado o dia santo de Deus com trabalho e recreação (algo que Deus conecta à idolatria, Ezequiel 20.13-16). Por causa do vírus, muitos são proibidos de trabalhar ou de jogar todos os dias da semana. Cada vez mais a igreja substituiu a sagrada adoração pelo entretenimento. Deus fechou as portas das nossas igrejas. O povo de Deus ficou satisfeito em ter apenas um culto em seu dia. Deus removeu todos os cultos. Negligenciamos o privilégio do culto corporativo. Somos incapazes de adorar corporativamente. Qual será, então, a nossa resposta? Arrependa-se de seus pecados (Lucas 13.1-5).

Colunas