O vandalismo continua

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 15/08/2020) – Edição 2064

Marlon Santos

ALÔ, ARCOS! Eu imaginava que, com o retorno do futebol de campo teríamos a compreensão do torcedor e que o vandalismo seria extinto, porém, isso já me parece ser uma cultura podre do futebol. Com o retorno da bola rolando e com os resultados adversos, eis que o torcedor voltou a praticar atos abomináveis e que confirmam que realmente vivemos em um mundo onde a violência predomina. Como é de praxe, o torcedor sempre tem que achar um culpado pelo fracasso da sua equipe e, mesmo sem comparecer nas arquibancadas, o expectador de luxo da televisão encontra tempo para colocar em prática atos de violência. E assim segue nossa tão questionada humanidade. O torcedor vai para a porta do centro de treinamento de sua equipe e  destrói o seu patrimônio, simplesmente para mostrar que está revoltado com o resultado e que tem como costume detonar a tudo e a todos. A pandemia não conseguiu abrandar os corações revoltados e, mesmo estando distantes de seus atletas, os torcedores conseguem agir como animais irracionais. Pobre futebol brasileiro, que aos poucos vai retornando com os mesmos problemas, onde alguém tem que pagar um preço pela derrota de sua equipe, como se o futebol fosse a coisa mais importante das nossas vidas. Quem acompanha este espaço esportivo deve se lembrar do que eu sempre relatava, de que acreditava que a mentalidade do ser humano mudaria drasticamente e que, principalmente no futebol, teríamos o respeito entre os torcedores e que viveríamos um novo tempo. Mas, errei e tenho que aceitar a dura realidade que foi instalada no mundo futebolístico.

 

No futebol amador

Falando de nosso tão destemido futebol amador, acredito que quando a bola voltar a rolar teremos os mesmos problemas de outrora, e seguiremos os mesmos tormentos do futebol profissional, ou seja, a violência terá seu espaço reservado em algum lugar. O futebol amador de Arcos foi aos poucos distanciando as pessoas que realmente se dispunham a ir ao estádio para assistir uma partida, pois, cenas lamentáveis aconteciam dentro e fora de campo. Nos últimos anos, o tor-cedor foi se afastando dos estádios devido aos atos de vandalismo prati-cados dentro e fora das quatro linhas. Muitas vezes, a selvageria se iniciava dentro do cam-po. Infelizmente, não espero que algo de dife-rente venha acontecer e praticamente tenho a certeza que nada mudará. Teremos que aceitar a dura realidade que convivíamos antes da pandemia. Concordam?

 

Sem novidades

Ainda continuamos sem novidades em relação ao andamento do futebol arcoense e quem acompanha esta página esportiva fica sabendo da realidade fora dos gramados. Mas, ainda existe a expectativa de que no mês de setembro tere-mos algumas novidades. Na última edição, divulguei que provavelmente poderíamos ter o início do Campeonato Arcoense de Futebol, porém, o assunto voltou à estaca zero. Devido a tantos decretos, a situação se tornou imprevi-sível e cada dia que se passa, a ilusão de termos bola rolando vai se acabando. Não tem como procurar culpados, pois a pandemia é visível e qualquer atitude impen-sada pode ser prejudi-cial a todos os envol-vidos. O desfecho desta novela está longe de um fim, mas mesmo assim, estaremos acompanhando o andamento e  repassaremos ao leitor.

 

Jogos dos mineiros no campeonato brasileiro

Série B

Ontem- Estádio Independência
América x Operário

Hoje – Estádio Orlando Scarpelli
16 horas- Figueirense x Cruzeiro

Série A

Hoje- Estádio Mineirão

Colunas