O mundo esportivo e suas rotineiras reclamações

(Artigo publicado pelo Jornal CCO em 11/04/2020) – Edição 2046

Marlon Santos

ALÔ, ARCOS! Mesmo com este momento delicado que o planeta terra vive, sendo um momento de incertezas e que ninguém pode afirmar absolutamente nada, eis que alguns (ou a maioria) dos atletas se sentem prejudicados por uma possível redução de seus salários. Estranhamente alguns atletas que atuam no continente europeu realizam doações significativas e tentam amenizar a situação. Mas, os jogadores que atuam no futebol brasileiro, no auge de sua arrogância, não querem reduzir os seus altos salários. Como milito no esporte nos últimos vinte e dois anos, levando a informação da forma correta, estou assistindo um jogo de egoísmo e acreditando que realmente o “futebol é a coisa mais importante entre as coisas menos importantes”. Ninguém está se preocupando com a situação atual de sua equipe e muito menos com a situação financeira do time do seu coração. Todos estamos passando por um momento até então enigmático. Com tudo isso acontecendo podemos chegar a simples conclusão que realmente o futebol profissional não faz falta alguma para nenhum ser humano. O planeta clama por socorro e os jogadores em sua maioria clamam por dinheiro. Quando todo este pesadelo acabar, o torcedor deverá rever seus conceitos referente a esta paixão aguda por um clube de futebol. Devem analisar que todo o desgaste emocional, se tratando do seu clube, foi mera ilusão e que temos que seguir outros caminhos e valorizar ao extremo a amizade com aquele amigo que torce e vibra para seu adversário. Na verdade, estamos vivendo um momento de reflexão e temos que entender o valor mínimo do amor ao próximo. Concorda?

 

Alguns exemplos de doações

 

Seleção Alemã

Quando o assunto é ajuda para vencer o coronavírus, a seleção da Alemanha conseguiu provavelmente o “7 a 1 das doações”. Difícil encontrar quem, no futebol europeu, tenha contribuído com mais do que os 2,5 milhões de euros (R$ 13,6 milhões) doados pela seleção alemã.

 

Lionel Messi

O astro argentino do Barcelona decidiu ajudar as duas cidades do seu coração: Barcelona, onde mora e Rosário, onde nasceu. De acordo com a imprensa espanhola, Messi doou um total de 1 milhão de euros (R$ 5,4 milhões), dividido entre o Hospital Clínic, da Catalunha e o Hospital Provincial de Rosário.

 

Cristiano Ronaldo

O craque português está financiando, junto com o seu agente, Jorge Mendes, a ampliação de dois hospitais em Portugal: o Hospital Santa Maria, em Lisboa, ganhará duas alas de UTI, cada uma com dez leitos, e o Hospital Santo Antônio, no Porto, terá uma nova ala, com 15 leitos.

 

No Brasil

A pandemia de coronavírus paralisou o futebol brasileiro e criou um clima de enorme instabilidade financeira em todos os clubes do país, dos menores aos maiores. Sem a realização de jogos, as equipes não conseguem receitas para bancar seus elencos. Assim como vem ocorrendo na maioria dos países, discute-se no Brasil a possibilidade de reduzir o salário dos atletas, além de outras medidas, como a antecipação de férias e mudanças no calendário, para minimizar os efeitos da crise causada pelo Covid-19. A Federação Nacional dos Atletas de Futebol Profissional (Fenapaf), que representa jogadores de diversas divisões, rejeitou a proposta de redução salarial em carta enviada nesta quarta-feira, 25, à Comissão Nacional de Clubes (CNC), que é quem está à frente das negociações.

 

Borussia Dortmund

Jogadores, comissão técnica e outros profissionais do departamento de futebol do Borussia Dortmund aceitaram reduzir seu salários temporariamente, como uma maneira de ajudar o clube a enfrentar os impactos financeiros da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. A medida foi confirmada nesta terça-feira: “Foi uma mostra de solidariedade aos 850 funcionários do clube”, declarou o Borussia em comunicado oficial.

 

Resumo

Estes são apenas algumas matérias vinculadas em alguns veículos de comunicação pelo mundo afora. Obviamente que o cenário poderá mudar no decorrer do tempo. Espera-se que haja bom senso com todos envolvidos nesta máquina milionária que é o futebol profissional.

Colunas