Fibromialgia

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 18/01/2020) – Edição 2035

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Fibromialgia é uma síndrome dolorosa, cada vez mais diagnosticada atualmente, acometendo cerca de 5% das mulheres e 1% dos homens. Pode comprometer seriamente a qualidade de vida dos pacientes, prejudicando a vida social e capacidade para o trabalho. Além dos sintomas dolorosos, várias outras queixas são comuns, confundindo o quadro de fibromialgia com outras doenças, como depressão, reumatismos e problemas hormonais. Uma avaliação clínica cuidadosa e alguns exames laboratoriais ajudam a fazer o diagnóstico correto e tratamento mais adequado.

 

Sintomas e diagnóstico

A principal característica da fibromialgia é a dor em diferentes locais do corpo. Outros sintomas frequentes são: sensação de cansaço constante, qualidade do sono ruim (os pacientes se queixam que o sono da noite não descansa de forma satisfatória), cefaleia, tonturas, dor torácica, dormências no corpo, alterações intestinais, alterações de humor (ansiedade, depressão).

Não existe um exame laboratorial que confirme o diagnóstico da fibromialgia. O diagnóstico é, portanto, clínico. Alguns exames de laboratório são normalmente solicitados para se descartar outras doenças com sintomas parecidos.

 

 

Tratamento

A fibromialgia é uma doença crônica que até o momento não tem cura, mas é possível melhorar a qualidade de vida do paciente, permitindo vida social, capacidade para trabalho e lazer sem grandes limitações.
É recomendado que as pessoas próximas ao paciente portador de fibromialgia recebam orientações sobre a doença. É muito comum o paciente ser taxado de “manhoso”, “sem força de vontade para melhorar” e outros termos que somente pioram seu quadro.

Atualmente o tratamento se baseia no AUTO-GERENCIAMENTO dos sintomas, ou seja, o paciente é orientado pelo médico quanto aos cuidados e uso correto de certas medicações (o próprio paciente avalia o momento de usar e o momento de parar com determinada medicação). Existem vários medicamentos que podem aliviar bastante o quadro doloroso, como alguns analgésicos, antidepressivos e medicamentos para tratamento de convulsão. O tratamento dos problemas do sono é considerado fundamental para a melhora dos sintomas, podendo ser realizado com ou sem uso de medicamentos. Transtornos psiquiátricos como ansiedade e depressão devem ser tratados rigorosamente porque levam a importante piora dos sintomas da fibromialgia. Exercícios físicos de leve intensidade são parte do tratamento, mas exercícios pesados devem ser evitados porque podem piorar o quadro doloroso e a fadiga. Alguns pacientes apresentam significativa melhora com técnicas de biofeedback, hipnose, acupuntura e terapia cognitivo comportamental.

Colunas