Existem diferenças entre preocupação, ansiedade e estresse?

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 14/11/2020) – Edição 2077

Nutricionista Jaqueline Prado

Esses sentimentos tendem a apresentar sensações muito parecidas. No entanto, entre eles existem diferenças. Muitas pessoas confundem esses sentimentos, e isso é comum de acontecer. Saber identificar essas sensações é importante, pois qualquer uma delas em excesso pode levar a um adoecimento mental e até mesmo físico. Então, vamos entender um pouquinho sobre cada sensação. A preocupação é um tipo de atenção empregada em algo que demanda algum tipo de cuidado, para ter uma consequência ou final ao qual tenho o desejo, ou para evitar algo indesejado. No dia a dia, a preocupação normativa não causa comprometimento à rotina, pode até causar algum incômodo, sem provocar reações físicas.

Já a ansiedade é uma preocupação diferente, muitas vezes está relacionada com o futuro e,  nem sempre, faz sentido. “Se acontece em níveis altos, ela pode se tornar patológica. Por isso, há a ansiedade comum e o transtorno de ansiedade generalizada”. Como citei, existe uma ansiedade considerada natural e comum, mas o excesso se torna uma ansiedade generalizada e um transtorno, causando um sentimento desagradável com reações físicas, como aperto ou desconforto no peito, coração acelerado, sensação de sufocamento.

Já o estresse é uma resposta orgânica frente a alguma demanda percebida como ameaçadora, podendo causar problemas físicos quando acontece em grau mais elevado. “São necessárias respostas fisiológicas decorrentes da estimulação do sistema nervoso autônomo, que provocam a liberação de hormônios que, em quantidade maior, aumentam a taxa de batimentos cardíacos e pressão arterial”. O problema   é quando o estresse se torna prolongado, isso causa o aumento de  hormônios, principalmente o cortisol, podendo ocorrer   problemas de saúde mental e física como irritabilidade, fadiga, baixa autoestima, queda da imunidade, hipertensão, ganho de peso. Se chegar a esse nível, é importante buscar ajuda médica e psicológica.

Colunas