Crise no futebol

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 23/01/2021) – Edição 2086

Marlon Santos

ALÔ, ARCOS! Tempos difíceis para todos e o futebol não está vivendo um bom momento. Em Minas Gerais, o Cruzeiro não consegue emplacar como há alguns anos. Já o atlético mineiro vive uma fase de ótima qualidade, com jogadores talentosos que conseguem se superar dentro das quatro linhas. O América de Minas Gerais é outro que está mostrando para o Brasil que tem uma equipe altamente competitiva e que hoje é respeitada em todo território nacional. Mas, com a pandemia em alta, a falta da presença do torcedor nas arquibancadas, sem vultuosos patrocínios e vivendo da transmissão televisiva, eis que a receita caiu assustadoramente. Os clubes estão se reinventando e tentando novas receitas para se manterem no topo, mas, está tudo muito complicado para aqueles que dirigem as equipes, os famosos cartolas, que aos poucos estão entendendo a força das arquibancadas. Aos poucos, estão entendendo que o torcedor é o seu maior patrocinador e é das arquibancadas que se constitui o verdadeiro valor da equipe. Precisou de uma pandemia para mostrar uma realidade que sempre esteve presente e assim provar o óbvio, algo descaradamente absurdo. O tempo foi responsável pela abertura da mentalidade arcaica de alguns cartolas do futebol, que consideravam o torcedor apenas um objeto inútil. Mas, com tamanha diferença, ficou provado que o  torcedor é fundamental para que o futebol atraia outros  patrocinadores. Concorda?

 

Qual é a importância dos torcedores nos estádios?

O 12º homem em campo: eles fazem a diferença ou são apenas parte da decoração?

Os torcedores que vão aos jogos são parte fundamental do esporte, desde a energia que eles trazem até o dinheiro que eles gastam.

Durante a temporada de 2018/19, a média de público em um jogo da Premier League foi de 38.162 torcedores, enquanto no total, mais de 14.5 milhões de pessoas passaram pelas catracas.

Isso equivale a um valor total de £667 milhões gastos por torcedores em dias de jogos.

Além disso, o barulho de uma torcida pode ser mais alto que um show de rock ao vivo – o suficiente para machucar os seus tímpanos e prejudicar a audição.

Entretanto, com as aglomerações proibidas, os estádios que normalmente abrigavam milhares de torcedores estão vazios.

 

O que é ser torcedor de verdade?

Um torcedor no futebol é uma pessoa que aprecia e torce para um determinado clube ou seleção nacional de futebol, podendo ser um torcedor normal ou organizado.

 

Qual a origem da palavra torcedor?

Segundo o professor Ari Riboldi, autor do livro ‘Cabeça-de-bagre- termos, expressões e gírias do futebol’, o termo “torcedor” é oriundo do latim, do verbo “torquere”, que tem o significado original de torcer, desvirtuar, distorcer, adulterar, tornar, virar, torturar e atormentar.

 

Em que ano foi realizado a primeira competição de futebol?

O primeiro jogo feito pelo Brasil foi no dia 21 de julho de 1914, contra o Exeter City, um time inglês, com vitória de 2 a 0 para o Brasil. Em 20 de agosto de 1916, surgiu a Confederação Brasileira de Desportos (CBD), entidade que seria responsável pelo desenvolvimento desportivo do Brasil.

 

O que diz o Estatuto do Torcedor?

O estatuto do torcedor é uma Lei Federal que declara os direitos do torcedor. Logo, dispõe sobre a segurança, a transparência e regras gerais na organização das competições esportivas.

 

Quais os principais pontos tratados no Estatuto do Torcedor?

Segurança necessária nos estádios; higiene a ser mantida em todas as dependências dos estádios; comercialização de gêneros alimentícios, sendo que aspectos ligados a este, como conservação dos mesmos, será assunto diretamente ligado ao Código de Defesa do Consumidor.

 

Qual a importância do Estatuto do Torcedor no esporte brasileiro?

Estatuto do Torcedor tem contribuído para modernizar e moralizar esportes. O dia 15 de maio marca os 10 anos de vigência do Estatuto do Torcedor (Lei 10.671/03), aprovado pelo Congresso Nacional, em 2003, para proteger e defender os direitos do público nos estádios e ginásios esportivos.

Colunas