Cortisol e estresse

O cortisol é um hormônio da classe dos corticosteroides, também conhecidos como corticoides. É produzido pelas glândulas suprarrenais mas sofre grande influência de uma outra glândula, a hipófise, localizada na base do cérebro. Atua na regulação do sistema cardiovascular, imunológico, psíquico e neurológico. Tem papel fundamental no metabolismo, gordura corporal, níveis de glicose no sangue, massa óssea, sais minerais, dentre outros.

Em situações de estresse e esgotamento, o cortisol e outros hormônios ligados ao estresse (adrenalina, ACTH, etc) têm sua produção e atuação alterada, podendo causar vários distúrbios severos no organismo, como doenças reumatologicas (lúpus eritematoso, artrite reumatoide), doenças da tireoide, obesidade, diabetes, hipertensão arterial, doenças psiquiátricas (depressão, síndrome de pânico). Pode ainda prejudicar o sistema imunológico, dificultando o controle de infecções.

 

 

Estresse e esgotamento

Chamamos de estresse toda situação em que a pessoa fica sob grande pressão física, mental ou psicológica. Quando o estresse é tão intenso a ponto de a pessoa não conseguir se restabelecer, dizemos que ocorreu um “esgotamento”. As queixas de esgotamento têm se tornado cada vez mais frequentes nos consultórios médicos. O principal sintoma do esgotamento é o cansaço ou fadiga. Segundo um estudo realizado pela Associação Americana de Medicina de Família, 20% dos adultos e um terço dos adolescentes se queixam de cansaço. Dependendo do tipo de estresse, o esgotamento pode ser dividido em físico, mental ou emocional. Algumas pessoas podem ter mais de um tipo de esgotamento ao mesmo tempo.

 

 

Tratamento

Altos níveis de cortisol no sangue precisam ser avaliados com cuidado. O cortisol alto ou baixo no sangue pode ocorrer em várias situações como uso de medicamentos, infecções, doenças hormonais e, como dito anteriormente, pode ser provocado pelo próprio estresse. Portanto, deve-se verificar se o cortisol é a causa do problema ou se é consequência de alguma situação.

No caso do estresse como causa do aumento do cortisol, o tratamento deve ser voltado para o controle do estresse. O primeiro passo no tratamento é uma consulta clínica detalhada; uma boa conversa com o médico muitas vezes é o suficiente para se detectar a causa do estresse ou esgotamento. É recomendável a realização de alguns exames para se excluir problemas orgânicos que contribuam com o esgotamento: anemias, infecções, reumatismos, problemas hormonais, etc. Para todos os casos, dieta balanceada, atividade física regular, momentos de relaxamento e uma boa noite de sono são fundamentais para a recuperação física, mental e emocional. Nos casos de esgotamento emocional, muitos pacientes vão precisar de tratamento com medicações e/ou acompanhamento com Psicoterapia, para prevenir futuras recaídas.

Colunas